domingo, 1 de agosto de 2021

Sky Rojo - Série eletrizante

     Oie, tudo bem??

     Estou sempre presente no instagram com alguns vídeos no reels e no IGTV, então se quiser ver indicações de séries, filmes, livros, arte e maquiagens, pode me seguir lá: @ana_murari.  Inclusive, se quiser ver esse post, em formato de vídeo, tem no IGTV

    Vim indicar uma série da netflix, que minha amiga Ana me indicou e sensacional por sinal, mas pesada, então somente indicada para maiores de 18 anos. Eu amei essa produção, mas lembrando que essa é apenas a minha opinião, tá? O nome dela é Sky Rojo!


    A série gira em torno de 3 prostitutas: Coral, Wendy e Gina que após terem cometido um crime tentando se defender do dono da boate que elas trabalham e o que me dói MUITO dizer, do dono delas vulgo cafetão, precisam fugir para sobreviver. Isso não é spoiler, está tudo no trailer e no primeiro episódio. Ela é SUPER dinâmica, num estilo Vis a Vis com La Casa de Papel, aliás, o roteirista é nada mais nada menos que Aléx Pina, que é: Produtor, escritor, criador e diretor dessas séries que falei agora.

    Com uns movimentos de câmera e sangue bem no estilo Tarantino, aliás, eu poderia falar que ele poderia ter produzido essa série também, porque é a cara dele. Super feminista e com diversas críticas a prostituição, pornografia, além é claro, de toda uma cultura machista e de estupro. Ao mesmo tempo que ela tem um tom de comédia, tem muito drama e se torna uma tragédia. Isso em ambas as temporadas, inclusive, a segunda temporada está ainda mais pesada que a primeira, a primeira é fichinha perto dela, porque a segunda parte é o próprio SURTO.

 





    É muito triste, pesada e dolorosa de assistir, de ver determinadas cenas, que chegam a te destruir, de ver a forma como as mulheres são tratadas, objetificadas, traficadas, abusadas, machucadas, torturadas, tudo isso para satisfazer desejos masculinos que são impostos e por pura sobrevivência e necessidade, muitas vezes pra ajudar as famílias, enfim... Nenhuma ali tem opção, é uma sentença de morte, ninguém está ali porque quer.  A partir do momento que alguém entra pra esse ramo, fica impossível de sair, só se sai de duas formas: Matando ou morrendo.

     A série em si é SUPER bem produzida e visualmente linda! Me lembrou muito Euphoria, principalmente nos figurinos e maquiagens, que são incríveis por sinal. A trilha sonora é muito boa, os jogos de câmera também, é o famoso: piscou, perdeu. Todos os episódios terminam com um belíssimo gancho pros próximos de forma que você não tem opção, a não ser maratona lá em algumas horinhas, porque é super rápida!

     A segunda temporada terminou de um jeito alucinante e ao mesmo tempo esperançoso, nossa, foi incrível!





    As atrizes são divinas, maravilhosas, perfeitas e merecem diversos prêmios, além do mundo! Me apaixonei por elas e pelas personagens que são sensacionais e super profundas. Pra quem amava Sense8, vai poder matar a saudade do ator que interpretava o Lito, pois ele está lá interpretando o Moisés! Os atores são incríveis também, é um melhor que o outro! Você fica chocado com tanta gente boa e uma produção fantástica daquelas.

    Enfim, não é uma série fácil por ser forte em diversos níveis e em diversas coisas, mas é uma obra prima. 





    Alguém aqui já assistiu a série? 

    Beijos!


domingo, 18 de julho de 2021

Indicação de livro da Darkside: Lady Killers

Oie, tudo bem? Voltei de novo, inclusive já perdi a conta de quantas vezes eu sumi e voltei nesse site kkkkkk

Estou sempre presente no instagram com alguns vídeos no reels e no IGTV, então se quiser ver indicações de séries, filmes, livros, arte e maquiagens, pode me seguir lá: @ana_murari.

Bom, hoje vou indicar um livro lindo de morrer (literalmente), nessa edição maravilhosa da Darkside books e que está bombando nas promoções no app das americanas e submarino, então o momento de falar dele, é AGORA!


Hoje vou falar de: Lady Killers escrito pela Tori Telfer, que reúne a história das maiores assassinas da história e vou falar sobre 3 dessas histórias que mais me chocaram: 







Olha essa capa, as páginas que perfeitas e cheias de detalhes, partes grifadas e ilustrações sensacionais! Tudo faz com que a gente se sinta ainda mais dentro da mente dessas psicopatas!

 

Esse livro, além de ser belíssimo e contar casos reais, é muito importante, pois mostra como essas histórias foram erotizadas com o passar do tempo e como as mulheres sempre sofreram pelo simples fato de serem mulheres. Se não estivessem nos padrões de beleza estéticos da época, elas eram mandadas pra cadeira elétrica ou enforcadas. Todos os seus crimes eram justificados pelo fato de não estarem satisfeitas com seus casamentos, sua vida sexual reprimida, ou até mesmo pela maternidade, o que é um absurdo! Além de sempre serem julgadas como incapazes de cometer tais atos hediondos, como é citado no livro, um dos maiores assassinos já conhecidos, foi o Jack o estripador, porém muito antes dele existiram diversas assassinas (ainda mais cruéis), mas a mídia jamais daria lugar para uma mulher, mesmo se tratando de crueldade.

 

Então agora vou contar brevemente 3 das melhores histórias (na minha opinião), ok?

 


Elizabeth Báthory – A condessa sangrenta

1560 – 1614 (POIS É, OLHA ESSA DATA!)

Retrada de diversas maneiras extremamente sexualizadas em Penny Dreadful, American Horror Story e até mesmo como uma vampira, ela nada mais era do que uma assassina real, extremamente cruel. Báthory foi uma das primeiras assassinas em série da história, sádica e terrível que morava em seu castelo na Europa com toda sua herança gigantesca, falava diversas línguas, mas tinha um passatempo medonho... Além de sua infância traumatizante e ao engravidar ter que se separar de seu filho (através de rumores), ela juntamente de seu marido, o conde Federic Nádasdy, adoravam torturar jovens criadas. 

Para Elizabeth, tudo não passava de uma brincadeira, com luvas de garras, papel oleado entre os dedos do pé com fogo, etc., ela torturava quem a desrespeitasse. Após um tempo, conheceu Anna Darvolya que se hospedou no castelo e ai a carnificina estava completa! Elizabeth estava acima da lei, devido sua riqueza, então se sentia no direito de fazer o que quisesse com quem quisesse e nada iria lhe acontecer. Conforme o tempo foi passando, as duas mulheres reuniram um grupo de pessoas, cada um com seu tipo de tortura e profissão, assim se reuniam numa espécie de câmara de tortura e lá faziam coisas inimagináveis como: Bater, chutar, torturar com agulhas, cortar dedos, morder partes do rosto das jovens, queimar com ferro em brasa, espancar até a morte, rasgar o rosto, usar alicates, enfim, coisas terríveis. 

A quantidade de jovens que desaparecia depois de começar a trabalhar no castelo, era imensa e começou a gerar certa desconfiança da população. OBS: Ela só matava mulheres, mas de nada adiantava a desconfiança, pois ela estava acima da lei. 

Em 1609, ela cometeu o erro de abrir uma escola de formação para jovens meninas da alta sociedade e foi ai que sem perceber acabou sendo pega, pois os pais dessas garotas começaram a desconfiar do sumiço e ela já não enganava mais ninguém. Começou a ser investigada por Gyorgy Thurzó que descobriu a carnificina. 

Báthory foi julgada e condenada prisão perpétua em seu próprio castelo e que seu nome não fosse mais mencionado na sociedade, sendo assim esquecida por todos, menos pelas famílias de quem assassinou.

 



Mary Ann Cotton – Mulher maldita

1832 – 1873

Quando tinha dezenove anos, Mary Ann se casou e engravidou pela primeira vez. Após o casamento, ela deu a luz à  quatro/cinco filhos e todos morreram. Com o passar do tempo, ela engravidou novamente e seus 3 filhos morreram. Se apaixonou novamente, dessa vez por um mineiro chamado Joseph Nattrass. 

Seu ex marido também morreu de “febre tifoide” e ela descobriu as maravilhas que arsênico dissolvido em chá quente podem fazer. Após a morte de Mowbray, Mary Ann Cotton recolheu uma grande quantidade de dinheiro do seguro e mudou-se de cidade para a mesma de Nattrass, onde sua filha Margaret Jane morreu de Febre Tifóide. 

Após descobrir que seu crush era casado, ela voltou para sua antiga cidade e começou a trabalhar como enfermeira assassinando diversos de seus pacientes, então decidiu mudar para a casa de um rico pai de 5 filhos, trabalhando como empregada. Logo que se mudou, o filho desse homem rico, chamado James Robinson, morreu, mas tudo bem, Mary Ann já estava grávida e em abril de 1867, num período de dez dias, 3 das crianças já estavam agonizando em suas camas quando na verdade, tudo não passava de envenenamento por arsênico. 

Aos 37 anos, Mary Ann voltou a trabalhar como empregada e fez mais e mais vítimas, engravidou novamente de outro homem e enquanto todos morriam de febre tifoide, ela sempre pedia para os médicos examinarem os corpos para afirmar que realmente as pessoas morriam desse motivo. Porém, as pessoas já estavam desconfiadas de toda essa quantidade de mortes rondando Cotton, então um médico resolveu investigar e descobriu arsênico no organismo de Charles Edward, mais uma vítima dela. 

A princípio ela foi acusada apenas desse assassinato, mas as investigações continuaram e foram descobertos ainda mais corpos. Dando a luz na prisão e dando diversas entrevistas, ela nunca desmoronou na frente dos repórteres, somente quando foi confrontada a matar seus próprios filhos. No fim se arrependeu e escreveu diversas cartas implorando para cancelar ou adiar sua execução, mas em 24 de março de 1873 com seus quarenta anos morreu enforcada por 3 minutos. 15 anos depois desse caso, A Inglaterra teria o início de outro também terrível: Jack – o estripador.



Alice Kyteller - A feiticeira de Kilkenny

1263 – 1325

Aparentemente, essa pode ser a primeira assassina em série documentada no continente. Era extremamente charmosa, gostava de uma aventura e dizia dormir com demônios.

Na cidade Irlandesa de Kinnery, Alice se casou com William Outlawe e tiveram um filho. Após 20 anos de casamento, Outlawe morreu e Alice partiu em busca de outro matrimônio, então casou-se e seu marido também morreu. 

Em 1309, Alice encontrou um terceiro esposo que também morreu e ela recebeu uma parte de suas terras que seria destinada ao seu filho William Jr. Na época, tudo era motivo para ser considerado MAGIA. O quarto marido de Alice sobreviveu, mas sua saúde ficou muito debilitada. Estranho, não? Sendo chamada de bruxa e acusada de enfeitiçar o homem, começou uma caça as bruxas, onde Richard de Ledrede ficou na cola de Alice, fazendo com que tudo relacionado a ela representasse uma ameaça ao patriarcado, já que era herdeira e independente. 

Alice era influente e tentou tirar suas acusações, até mesmo virou o jogo e indiciou Ledrede. Chegaram até a afirmar que ela voava numa vassoura hahahaha e foi considerada uma viúva-negra. Alice foi forçada ao exílio e até hoje, é conhecida como bruxa, não como assassina e tem até uma estátua em sua homenagem.

Bom, essas foram as histórias que mais gostei, o livro tem outras super macabras e assustadoras, porém reais através do que temos documentado na história. Também há muitos rumores, mas uma coisa é certa: o machismo sempre esteve em todo lugar e muitas dessas mulheres sofreram mais pelo fato de serem mulheres, do que pelos crimes cometidos. Lembrando que essa edição maravilhosa é da Darkside e se você quiser conferir todas essas histórias, aconselho a ler o livro, pois vale MUITO  a pena!


E aí, quem aqui já leu esse livro ou algum parecido? Vamos conversar um pouquinho aqui nos comentários!

domingo, 5 de abril de 2020

Quarta temporada de "La Casa de Papel" – com spoilers


   Oieeeee, tudo bem? Antes de mais nada, esse post terá spoilers da quarta temporada da série, então se você não assistiu ainda, aconselho a não ler.
Recentemente a Netflix lançou a quarta temporada de La Casa de Papel e mais uma vez embarcamos na loucura desses atracadores para ver como eles vão conseguir terminar o que começaram, o assalto ao Banco da Espanha.

domingo, 29 de março de 2020

Terceira temporada da série "Elite" com spoilers


   Oie, tudo bem?
   Voltei mesmo, olha só! Rsrsrrss
   Como já disse em outros posts, estou mais ativa no instagram: @ana_murari onde posto conteúdo de séries, livros e maquiagens. Se quiser ver esse conteúdo, me segue lá! Mas tentarei ficar mais ativa aqui também porque escrever me faz uma falta muito grande!
   Há um tempo atrás, postei um vídeo no canal do youtube falando sobre a primeira temporada de “Elite” e o post de hoje será sobre a terceira temporada, então só leia caso você já tenha assistido, para não pegar spoilers, ok?

domingo, 22 de março de 2020

Coisas para fazer durante a quarentena


   Oie, tudo bem?
   Sei que infelizmente muitas pessoas ainda têm que sair de casa para trabalhar, porque não foram liberadas por empresas, chefes, etc., e não, não é um privilégio ficar em casa, é um direito de todos, pelo menos deveria ser né? Mas enfim... Quem puder e tiver essa opção, por favor, #FIQUEEMCASA, é de extrema importância para conter a propagação do vírus e não se preocupem pois estamos todos no mesmo barco. Temos que nos preocupar e cuidar de todos. Esse é o momento de cumplicidade e compreensão e vai ficar tudo bem.

terça-feira, 17 de março de 2020

Como economizar nas compras online

Oie, tudo bem?

   Estava sumida, mas voltei e pretendo voltar de vez hahaha

   Hoje vou dar dicas de como economizar nas compras online, ainda mais agora que a maioria está em casa e mesmo assim, ainda precisa fazer algumas compras. 

   Aqui vão as dicas: 

domingo, 29 de dezembro de 2019

Reflexões de final de ano


   2019 foi um ano muito conturbado, não só politicamente onde falamos do próprio caos, como também em questões pessoais, porque querendo ou não, somos afetados por tudo o que vemos, ouvimos e vivemos (direta ou indiretamente).
   No meu caso, além do caos instaurado e medo constante, não posso apenas falar do lado ruim, foi um ano muito bom para aprendizado e amadurecimento, inclusive tenho uma tatuagem que fala “No rain, no flower” e esse ano foi exatamente assim, foi preciso passar por períodos de chuva para notar belas flores no final. São nesses momentos que vemos o quanto somos fortes e que ainda tem um longo caminho a ser percorrido.